PEREGRINAÇÕES,  VIA FRANCIGENA

Via Francigena | A peregrinação mais antiga da Europa

A Via Francigena é o nome de uma antiga estrada de peregrinação que liga a Inglaterra à Roma, tendo como destino final o Vaticano. Desse modo, a rota passa por quatro países: Inglaterra, França, Suíça e Itália. No total são 2000 km de beleza natural e pura história da cultura ocidental.

Atualmente, o trajeto vem ganhando novamente popularidade e, portanto, associações de peregrinos começaram a demarcar melhor a rota. Quer saber mais sobre essa longa peregrinação? Continue lendo este post.

A história da Via Francigena

De fato, as pessoas têm feito peregrinações a Roma desde o século IV. Esse período da história, marcado por Edito de Milão, em 313 DC, quando o Império Romano se tornou cristão, desencadeou uma verdadeira inundação de peregrinos. Dessa forma, todos encontravam-se ansiosos para visitar os túmulos dos Santos Pedro e Paulo na cidade.

No entanto, com as invasões bárbaras dos séculos VI e VII, a vida do peregrino da Via Francigena tornou-se muito mais difícil. As estradas e pontes deixaram de ser mantidas e, desse modo, as pousadas e outras acomodações foram destruídas. Somado a isso, as áreas que não estavam mais sob o domínio cristão tornaram-se cada vez mais perigosas e o peregrino já não tinha certeza se alcançaria o seu destino, nem se voltaria inteiro para casa.

Rotas que te levam a Roma

A Via Francigena, conforme descrito aqui, não é (e nunca foi) a única estrada de peregrinação “real” para Roma. De fato, ela é simplesmente uma das muitas rotas escolhidas por aqueles que saem da Grã-Bretanha ou de outros lugares ao longo do caminho.

Os peregrinos da Península Ibérica, por exemplo, seguiam a costa pelo sul da França, enquanto os de outras partes da França cruzavam os Alpes não pelo Grande São Bernardo, mas pelas passagens de Montcenis ou Montgenèvre.

Sendo assim, toda uma rede de rotas convergiu para Roma e a jornada começou, pelo menos até o século 20, a partir da porta de cada peregrino. Como diz o ditado conhecido, “todos os caminhos levam a Roma”.

Como percorrer a Via Francigena

Porém a Via Francigena foi tomando forma e, atualmente, pode ser feita de diversas maneiras: a pé, de bicicleta e, em alguns trechos, de moto.

Para aqueles que decidirem realizar o percurso a pé, é importante ler sobre a rota – sua história, arquitetura e geografia – o máximo possível. Se o peregrino não estiver acostumado a carregar uma mochila por dias seguidos, ele deve praticar antes.

Quais os principais desafios na Via Francigena?

Por ser uma rota longa, a Via Francigena apresenta alguns desafios particulares. No entanto, basta se preparar e planejar bem a sua peregrinação que a experiência será impactante, agradável e inesquecível.

Idioma

Por passar por quatro países diferentes, a Via Francigena é uma rota quase poliglota. Quem fala inglês, conseguirá se comunicar por boa parte da via. No entanto, encontrará certa dificuldade no território da França e da Itália.

Em ambos os países, a trilha cruza vilarejos pequenos e sem grande infraestrutura. Portanto, a comunidade não fala outro idioma a não ser o francês, na França, e o italiano, na Itália. Sendo assim, o peregrino que deseja aprofundar a comunicação, ou ampliar as suas ferramentas, deve aprender palavras básicas e de sobrevivência de cada língua.

Má sinalização

O trecho da França, principalmente, não é muito bem demarcado. Na verdade, boa parte da Via Francigena nesse território se agrega às chamadas GR, ou seja, Grandes Rotas. Sendo assim, as marcações são esparsas e formadas por diferentes símbolos. Desse modo, o peregrino deve estar atento, pegar informações constantes nas pousadas, ter um livro guia e, se possível, um GPS.

Solidão no caminho

É muito improvável que você encontre outros peregrinos indo para Roma na Via Francigena. Então, se você já fez o Caminho de Santiago de Compostela, sentirá falta da ‘fraternidade da estrada’ que existe ao longo do Caminho Francês. Portanto, é preciso ser muito autossuficiente se decidir caminhar até Roma pela Via Francigena.

Pousadas e albergues

A parte mais difícil de toda peregrinação não é, entretanto, caminhar em si. De fato, o esforço mental necessário para encontrar um lugar para dormir, noite após noite, especialmente se você estiver fazendo a jornada com um orçamento apertado, é o mais desafiador.

Mesmo que você vá à igreja ou fique em casas religiosas de vez em quando, não há missas dedicadas aos peregrinos ou outros serviços como há, cada vez mais, no Caminho Francês. Além disso, na França e na Suíça, por exemplo, os hotéis e pousadas possuem um preço salgado e muito discrepante com a realidade dos albergues na Espanha.

Por que fazer a Via Francigena?

A peregrinação mais antiga do mundo esteve, tradicionalmente, ligada ao catolicismo. Entretanto, atualmente, muitas pessoas buscam o caminho pelos mais diversos motivos. Seja por desbravar as mais belas paisagens da região da Champagne, da Alpes suíços e da Toscana, seja para agradecer alguma conquista, seja ainda para superar limites físicos e mentais, peregrinar a Via Francigena vale muito a pena!

Porém, para que você aproveite ao máximo essa experiência, é importante investir tempo no planejamento da viagem. Sendo assim, acompanhe nosso canal no Youtube para ter acesso a mais conteúdo sobre esse longa peregrinação na Europa.

2 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.