CAMINHO DE ASSISI,  PEREGRINAÇÕES

Caminho de Assis | A peregrinação de São Francisco de Assis

São muitas as rotas que conduzem o peregrino pelo Caminho de Assis até cidade de Assisi, na Itália. Na verdade, são diferentes associações que, motivadas pela riqueza natural da região, bem como pelo potencial turístico e religioso, organizaram trilhas que passam por parques nacionais e por pequenas vilas carregadas de história, até a cidade natal de São Francisco de Assis.

Todos os trajetos vão ter pontos em comum, pois cruzam os vilarejos que fizeram parte da jornada do santo italiano. A rota que vou abordar neste post é a que tem início em Dovadola, um encantador vilarejo na região da Emilia-Romana.

Escolhi abordar esta rota de 300 km, que pode ser percorrida entre 11 a 14 dias, porque tive a oportunidade de fazê-la em outubro de 2016, durante a volta ao mundo. Além de ter me encantado com a beleza natural e o sentimento de espírito peregrino que das hospedagens, constatei que havia poucas informações em português sobre a rota.

Como o site oficial do trajeto está em italiano, separei tudo que você precisa saber antes de peregrinar um dos caminhos mais bonitos da Europa.

A história do Caminho de Assis

O Caminho de Assis surgiu espontaneamente e com o objetivo de conectar as várias peregrinações que já existiam há séculos. Algumas delas, com características místicas, são: Assis, La Verna, Cerbaiolo, Montecasale e Montepaolo. Em essência, são cidades que estão ligadas à devoções antigas e peculiares que dão impulso à busca interior e a renovação da doutrina de São Francisco de Assis.

No mês de julho de 2007, os administradores do Caminho de Santiago e do Caminho de Assis decidiram unir essas duas cidades destino. A decisão surgiu baseada nas afinidades culturais e espirituais que possuem como meta renovar a peregrinação como uma verdadeira fonte de nova evangelização. Sob a proteção de dois grandes santos, as associações visam reacender a chama do “amor que move o sol e as estrelas ” e que cada homem carrega dentro de si.

Por onde passa a rota?

O Caminho de Assis tem início em Dovadola, vilarejo situado na região da Emília Romana, na Itália. Logo após essa pequena vila, a trilha conduz o peregrino pela maravilhosa Toscana e, depois de alguns dias, passa pelo Santuário de La Verna (local onde acreditam que São Francisco de Assis recebeu as chagas de Cristo).

Além dos Appenninos e dos parques nacionais extremamente preservados, o peregrino caminha por Caprese de Michelangelo. Não por outro motivo, o vilarejo leva esse nome porque foi onde nasceu o pintor e escultor renascentista.

Outras cidades históricas que também estão no roteiro são: Sansepolcro, onde o peregrino pode visitar o Eremo de Montecasale; Città di Castello, local rico em museus e mosteiros; Pietralunga, província de Perugia e conhecida por sua beleza natural; e, por fim, Gubbio a cidade onde dizem que São Francisco se deparou com um feroz lobo.

Como é o Caminho de Assis?

Paisagens

Por ligar diversos pontos das regiões da Emilia-Roma, Toscana e Umbria, a Basílica de São Francisco de Assis, o Caminho de Assis tem diferentes paisagens ao longo de todo o trajeto. Alguns trechos são acidentados, pedregosos, isolados e atravessam grandes parques nacionais, principalmente a primeira etapa. Em outras partes, no entanto, o caminho é mais plano e cruza pequenas propriedades de produtores de azeite.

Tipos de pavimentação

Em sua maior parte, o caminho é feito por trilhas estreitas e acidentadas, porém também existem alguns trechos asfaltados ao longo do trajeto. Partes do Caminho de Assis passam por rodovias tranquilas, mas há também trechos de rodovias bem movimentadas, com tráfego de carros em alta velocidade. Nesses momentos, o peregrino deve estar atento e caminhar sempre pelo acostamento e no sentido contrário dos veículos.

Infraestrutura

Ao longo de todo o Caminho de Assis é possível encontrar refúgios para hospedagem e recuperação das energias para retomar a caminhada no dia seguinte. Entretanto, é preciso ficar atento e fazer um bom planejamento antes de começar a viagem, pois, dependendo da localização, pode ser preciso percorrer entre 20 km e 30 km para encontrar a hospedagem mais próxima e ainda correr o risco dela estar fechada. Isso porque, alguns refúgios são coordenados por voluntários e não funcionam durante todo o ano.

Powered by Rock Convert

Altimetria

O Caminho de Assis possui uma boa variação altimétrica. Seu ponto mais baixo é de 200 metros e o mais alto de 1600 metros — na região do Monte La Verna. Em um único dia, o peregrino pode variar a altitude em mais de 1000 metros, como ocorre nos trechos que passam pelos Appenninos. Porém, ao adentrar a Umbria e se aproximar da Basílica, o caminho se torna plano, o que facilita o fim da jornada. 

Como percorrer o Caminho de Assis

O Caminho de Assis foi feito para ser percorrido de uma única forma: a pé. Como são cerca de 300 km de peregrinação, o trajeto pode ser percorrido em cerca de 11 a 14 dias de caminhada.

No entanto, mesmo que a quilometragem não seja longa, comparada a rota francesa do Caminho de Santiago, a peregrinação de Assis não é simples. A grande diferença é a ausência de pontos de apoio na trilha. Isso significava que se você iniciou a caminhada, você deve chegar ao destino planejado. Não há restaurantes, cafés ou sequer pontos de reabastecimento de água durante o percurso. Por essa razão, sempre leve suprimentos suficientes para um dia completo.

Como me oriento na trilha?

Durante todo o trajeto, o peregrino vai encontrar marcações em formato de setas verdes, pintadas em árvores ou muros. No entanto, em certos pontos da trilha, a marcação ganhará novos formatos como “pequenas setas verdes feitas em madeira”.

Não se apavore se não enxergar as marcações em curtos espaços de tempo. Diferente do Caminho da Fé, a sinalização é mais precária e requer mais de atenção e intuição por parte do caminhante. Se você é um peregrino iniciante, não indico que comece pelo Caminho de Assis. Ainda assim, se depois de alerta você ainda optar por essa peregrinação, não a faça sozinho.

Além da superação física, e da atenção na orientação do trajeto, o peregrino terá que lidar também com a barreira do idioma, visto que durante boa parte do trajeto as pessoas só falam italiano.

O que levar na mochila?

A mochila do peregrino que vai fazer o caminho a pé deve ser o mais leve possível. Afinal, como vimos, a peregrinação pode levar semanas e a quantidade de peso fará uma grande diferença na caminhada.

O indicado é que o peregrino opte por roupas leves, de preferência com mangas compridas, tênis adequados para a prática de trekking e chapéu ou boné para se proteger do sol. 

Na mochila, vale a pena levar saco de dormir, protetor solar, duas garrafas de água para o dia, duas mudas de roupa e agasalho para o frio, além de medicamentos e materiais de primeiros socorros.

Como é possível se hospedar em refúgios ao longo do trajeto, barracas de camping não são necessárias, o que facilita na montagem da mochila e reduz o peso.

Por que fazer o Caminho de Assis?

A peregrinação de São Francisco de Assis esteve, tradicionalmente, ligada ao culto franciscano. Entretanto, atualmente, muitas pessoas buscam o caminho pelos mais diversos motivos. Seja por desbravar as mais belas paisagens da Itália, seja para agradecer alguma conquista, seja ainda para superar limites físicos e mentais.

Independentemente do motivo, realizar uma peregrinação à Basílica de São Francisco de Assis é uma experiência transformadora. O Caminho de Assis é realmente especial e proporciona a intensa prática do autoconhecimento e do espírito peregrino.

Porém, para que você aproveite ao máximo essa experiência, é importante investir tempo no planejamento da viagem. Deu aquela vontade de percorrer o Caminho de Assis? É fácil, assista aos nossos vídeos no canal do YouTube e fique por dentro do conteúdo que ajudará você a viver essa experiência transformadora!

8 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.